Vacina contra HPV: saiba mais!!

Por junho 25, 2016 Vacinas Sem comentários
Saiba mais sobre a vacina contra HPV

✔ O que é o HPV?

O HPV ou Papiloma Vírus Humano, é um vírus com mais de 100 tipos identificados, sendo a doença sexualmente transmissível (DST) mais comum no mundo atualmente.

✔ Como isso acontece?

O vírus infecta a pele e mucosas causando verrugas genitais (condilomas) e causador principal do câncer de colo de útero. Também relacionado ao câncer anal, vaginal, pênis e orofaringe. Sabe-se que 50% dos homens ou mulheres terão contato com algum subtipo do vírus após o início da vida sexual e que o uso de camisinha não protege totalmente do contato com este vírus, diferente do HIV.

✔ Quem deve ser imunizado? A vacina é segura?

O Ministério da Saúde (MS) iniciou em 2014 uma grande estratégia de combate ao HPV com várias iniciativas entre elas, liberando a vacina para meninas de 9-11 anos causando bastante discussão. A vacina não é composta por vírus vivos e sim de partículas deles. Existem dois tipos de vacina contra o HPV, a quadrivalente (cobre 4 tipos de vírus – 6/11/16/18) e a bivalente (cobre dois tipos – 16/18). A vacina quadrivalente pode ser dada em meninos e meninas entre nove e 26 anos de idade e a bivalente, para meninas e mulheres a partir dos 10 anos, sabendo que a resposta imunológica à vacina é melhor quando aplicada até os 15 anos de idade. A campanha do MS utiliza a vacina quadrivalente e é direcionada para meninas na faixa de 9-11 anos em três doses. Os subtipos 16 e 18 estão relacionados com mais de 70% dos casos do câncer de colo de útero e os subtipos 6 e 11 relacionados à verrugas genitais. Portanto, meninos e meninas na faixa de 9-26 anos devem ser imunizados.

✔ Mas devo também vacinar o meu filho (menino) também?

Sim, a vacina protege contra a infecção por HPV relacionada aos cânceres de pênis, ânus e garganta, além das verrugas genitais.

✔ Como funciona o esquema de doses?

Na rede privada, o esquema é: 0, 2 e 6 meses. Aplica-se a 1ª dose, 2 meses após a segunda dose e em seis meses aplica-se a terceira dose. O disponível da rede pública segue o indicado pelo Ministério da Saúde com um esquema diferente, aparentemente eficaz, mas ainda em fase de estudo: 0, 6 e 60 meses (5 anos após a primeira dose).

✔ Iniciado a vacinação na rede privada, posso finalizar na rede pública?

Sim. Lembrando que a vacina da rede pública é a quadrivalente. As famílias que preferirem o esquema de 0, 2 e 6 meses, será aceito fazer a primeira e a última dose na rede pública.

✔ Como são os efeitos colaterais?

Dor no local de aplicação é o efeito mais comum, mas pode também ocorrer febre e mal estar geral nos primeiros dias. Foram relatados quadros de desmaios relacionados à aplicação da vacina por dor, ansiedade e medo de agulhas da população adolescente. Reações graves são muito raras.

✔ Vacinar não estimula início de vida sexual precoce?

Não. Aumenta a eficácia desta vacina, assim como a vacina da Hepatite B que também um tipo de DST e que as crianças recebem desde o nascimento. Devemos orientar nossos filhos que a vacina só é uma método a mais de proteção e orientar o uso de preservativo e de medidas de prevenção quando iniciam a vida sexual.

✔ Para as mamães: quem já teve HPV ou condiloma pode receber a vacina?

Sim. Não imuniza para o vírus que a pessoa já teve contato, mas protege os demais tipos do vírus.

Deixe um comentario