Retirada da mamadeira: como fazer

Como fazer a retirada da mamadeira

A retirada da mamadeira é muito importante para o desenvolvimento da criança, mas nem sempre é fácil. Esse “tchau” precisa ser feito de forma tranquila para não ser traumático. Os pais devem estar certos e seguros sobre a suspensão, pois sua insegurança pode determinar o fracasso do processo.

Quando pode tirar a mamadeira?

O ideal é fazer isso até os 2 anos de idade. Existe um “processo” de assimilação da família, pois a mamadeira é um símbolo de que aquela criança é um bebê, então tirar a mamadeira/chupeta significa que ela está crescendo e não é mais um bebezinho. Nesta fase, deve-se focar nos benefícios que isso vai trazer para a criança e seguir em frente.

O uso prolongado da mamadeira pode prejudicar a criança?

Sim, pode alterar o desenvolvimento dos músculos da face, da fala e dentição, causar dificuldades respiratórias e desmame precoce, além de trazer maior chance de cáries, maior risco de contaminação e aquisição de doenças infecto-contagiosas.

A retirada da mamadeira deve ser lenta ou de uma vez? Negociar é válido?

O ideal é que seja feita de maneira lenta, pois há maior possibilidade de sucesso. Explicar o que está acontecendo é válido e negociar pode ser uma opção com cuidado, pois as crianças pequenas não entendem muito e podem ficar confusas. Isso vale mais para os maiores, mas atenção para não se tornar uma chantagem. Cuidado também para não fazer a retirada em períodos de transição como início da escola, chegada do irmãozinho, desfralde, mudança de casa ou quando ele estiver doente, pois será bem mais confuso e complicado.

Como fazer a retirada?

Aos seis meses já podemos introduzir os copos de transição para água e suco, assim como iniciar o treino para o uso do canudo que tem uma forma positiva e benéfica de sucção. Existem vários tipos de copo no mercado, vale a pena escolher um que se adeque melhor à faixa etária da criança, além do custo. Se a criança tomar todos os líquidos no copo e somente o leite na mamadeira o processo será rápido.

Com cerca de 1 ano, os bebês já estão comendo super bem (pelo menos este é o objetivo), então em média espera-se que a criança tome três mamadeiras de leite por dia – manhã, tarde e noite. Neste caso, começamos com a mamadeira da tarde, substituindo por um lanche saudável como uma porção de fruta ou vitamina de fruta (leite com fruta ou iogurte) que pode (e deve) ser apresentada no copo de transição.

Após a adaptação do período da tarde, que deve durar de 1 até 2 semanas no máximo, passamos para a retirada da mamadeira da manhã, incentivando “tomar café” com a mamãe ou papai, sentando sempre à mesa, tomando o leite no copo e também comendo parte da dieta da família (vale a pena adicionar uma porção de fruta e pão integral com queijo, por exemplo). Se a criança for cedo para escola e tomar café da manhã lá, este leite sagrado da manhã deve ser apresentado no copo normalmente.

Por fim, a mamadeira da noite deve ser suspensa, mas se for o caso de ainda haver necessidade do leite nesta fase (conversar com o pediatra da criança), lembrar de manter no copo próprio para a idade e nunca esquecer de escovar os dentes caso já tenha escovado mais cedo após o jantar! A famosa “cárie de mamadeira” é coisa séria!

Quando a mamadeira se torna um problema?

Desde a introdução, a mamadeira não é a maneira ideal de mamar e sim o seio materno. Mamadeira é uma das principais causas de desmame precoce; existe um risco três vezes maior do bebê deixar de mamar no peito após a introdução dos “bicos” artificiais (mamadeira e chupetas). Além disso, o seu uso aumenta o risco de contaminação e a chance do bebê ficar doente, então a higienização adequada é fundamental. Se o bebê estiver em aleitamento materno exclusivo, misto ou se a mãe precisar se ausentar, o leite ordenhado ou fórmula deve ser oferecido no copo ou na colher para evitar a “confusão” dos bicos.

A partir de que que idade a criança não deve tomar mais mamadeira?

Após os dois anos já existem alterações importantes e até visíveis que só vão se acentuando em dentes, lábios, padrão respiratório e musculatura orofacial. A Academia Americana de Pediatria recomenda a retirada da mamadeira até os 15 meses de idade.

Enfim, para a retirada seja bem sucedida o ideal é que seja uma transição lenta, tranquila, respeitando o tempo da mãe/família e da criança, explicando sempre.

E o mais importante: iniciado o processo não se deve parar tudo no meio, pois fica muito confuso para o pequeno entender o que está acontecendo, além de aumentar a chance de desistência da família.

Deixe um comentario