Bebês que dormem no quarto dos pais tem menor risco de morte súbita

Bebês que dormem no quarto dos pais tem menor risco de morte súbita

Essa semana foram publicadas as novas recomendações da Academia Americana de Pediatria para prevenção de morte súbita em bebês.

A novidade desse ano foi a recomendação de que a criança durma no quarto dos pais até pelo menos 6 meses de vida e se possível até 1 ano, pois essa prática diminui em até 50% o risco de morte súbita. Mas é indicado que durma em superfície separada, como berço próprio, colchão ou co-sleeper ao lado da cama dos pais e não junto com os adultos pelo risco de sufocamento. Colocar o berço perto da cama dos pais auxilia para o conforto, amamentação e monitorização do bebê e elimina o possibilidade de sufocamento e demais riscos de dormir na cama com os pais.

As taxas de morte súbita ou outras mortes relacionadas ao sono ocorrem mais frequentemente até os 6 meses de vida, então esse é o período de maior alerta para os pais.

Veja algumas recomendações dessa publicação:
  • A criança deve dormir sempre de barriga para cima e em superfície firme até 1 ano de vida. Essa posição não aumenta o risco de asfixia mesmo nos bebês com refluxo gastroesofágico, sem malformações de vias aéreas. Os bebês só devem ficar de barriga para baixo quando acordados e sob supervisão.
  • Carrinhos e bebê-conforto não são locais seguros para deixar o bebê dormindo.
  • A amamentação diminui o risco de morte súbita. O efeito protetor é maior se amamentação exclusiva.
  • Após a amamentação, o bebê deve ser recolocado no berço quando o adulto responsável vai voltar a dormir.
  • O local mais seguro para o bebê dormir é o berço apropriado junto à cama dos pais.
  • Não há evidências que dispositivos para colocar o bebê entre os pais (bercinhos portáteis para colocar na cama) sejam seguros, pois não há estudos que mostrem que sejam recomendados ou não neste momento.
  • A criança não deve dormir em sofás ou poltronas, pois há maior risco de sufocamento.
  • Cuidado ao alimentar o bebê em poltronas, sofás ou camas pelo risco de dormir enquanto alimenta o bebê.
  • Nenhum travesseiro, lençol, coberta ou qualquer outro objeto deve estar dentro do berço.
  • Estudos apontam: Risco aumentado de morte súbita em cama compartilhada, especialmente para bebê até 4 meses. Risco aumentado com pais fumantes (mesmo que não fumem na cama ou perto). Risco aumentado quando os pais fazem uso de álcool, drogas ou medicação controlada.
  • Objetos ou roupas que possam cobrir a cabeça do bebê não são seguros.
  • Protetores de berço podem ser perigosos pelo risco de sufocamento, assim como as barras do berço que devem seguir as normas de segurança.
  • Considerar oferecer chupeta na hora do sono, pois apesar de mecanismo não bem conhecido, parece ter um efeito protetor do risco de morte súbita em alguns estudos. Após o sono, este deve ser retirado do bebê.
  • Em bebês em aleitamento materno exclusivo a introdução de chupetas só deve ser feita após a amamentação estar bem estabelecida. Não há evidência de que chupar dedo teria o mesmo mecanismo de proteção.
  • Não devem ser usados acessórios ou fraldas para prender a chupeta ao bebê ou sua roupa na hora de dormir pelo risco de sufocamento.
  • Aquecer demais o bebê aumenta o risco. Cuidado com o excesso de roupas e o aquecimento excessivo do quarto.
  • Pré natal adequado e vacinação da criança conforme recomendação de órgãos oficiais são medidas protetoras.
  • Usar aparelhos de monitorização cardiorrespiratória não diminui o risco de morte súbita.
  • Não há evidências que recomendem embrulhar a criança com um  “charutinho” para diminuir o risco, podendo até ser perigoso dependendo da maneira como isso é feito.

 

 

Deixe um comentario